A neurociência como aliada do educador

A neurociência como aliada do educador

Post
Em entrevista ao blog, a Ana Maria Diz - Educação Vale a pena, Adriana explica como a compreensão do funcionamento cerebral pode ajudar o professor a lidar com as dificuldades e potencialidades de seus alunos. http://educacao.estadao.com.br/blogs/ana-maria-diniz
Leia mais
Encontro com Fátima Bernardes

Encontro com Fátima Bernardes

Home
Adriana Fóz participou do programa “Encontro com Fátima Bernardes” como convidada especial nos três blocos do programa, para falar sobre a importância da saúde emocional. Adriana, que sobreviveu a um AVC hemorrágico, falou sobre mudança de vida e como reaprendeu a falar e a andar. (mais…)
Leia mais
Como escolas brasileiras estão ajudando crianças a lidar com as emoções.

Como escolas brasileiras estão ajudando crianças a lidar com as emoções.

Home
Amanda Mont'Alvão VelosoHuffPost Brasil Na rotina de uma criança, é comum falar sobre as aulas na escola, os passeios extracurriculares ou as lições de casa. Dentro e fora do ambiente escolar, português, matemática, ciências e geografia acabam dando o tom de muitas das conversas. Mas pouco se fala sobre a raiva sentida por um educador diante de uma avaliação, a inveja de um coleguinha, o medo de ir para a escola e sofrer bullying mais uma vez ou a total falta de vontade de sair de cama e viver. Pode parecer exagerado, mas a depressão, a automutilação e o suicídio são uma realidade entre muitas crianças e adolescentes, o que representa um desafio alarmante tanto para pais quanto para crianças. Um levantamento da Associação de Líderes de Escolas e Faculdades…
Leia mais
‘Não existe respeitar a privacidade de um adolescente’, diz psiquiatra

‘Não existe respeitar a privacidade de um adolescente’, diz psiquiatra

Post
Saiba como identificar sinais da "brincadeira do desmaio", que matou menino de 13 anos SÃO VICENTE e RIO — A morte de um menino de 13 anos, que se enforcou durante a chamada “brincadeira do desmaio”, no sábado à noite, causou comoção não apenas na pequena São Vicente, no litoral de São Paulo, onde o caso aconteceu, mas em todo o país. Policiais estão investigando, mas, ao que tudo indica, o estudante Gustavo Riveiros Detter enrolou uma corda no pescoço enquanto jogava um game on-line com colegas e, diante do computador, se asfixiou até perder a consciência. Quando parentes o encontraram, tentaram reanimá-lo e levaram o garoto para o hospital, mas ele faleceu 24 horas depois. O episódio é um alerta para famílias com crianças e adolescentes dentro de casa,…
Leia mais
29 de Outubro – Dia Mundial do AVC – Acidente Vascular Cerebral

29 de Outubro – Dia Mundial do AVC – Acidente Vascular Cerebral

Post
Cristina Collina A cura do cérebro – Como Adriana Fóz, reabilitou seu cérebro após um AVC – Acidente Vascular Cerebral e por meio de sua experiência orienta pessoas em suas superações  Adriana Fóz, Diretora da Clínica Integrativa Vila Nova, Unidade Avançada do Hospital Santa Mônica, é Educadora formada pela USP,  pós-graduada em Psicologia da Educação (USP), especialista em Psicopedagogia (Instituto Sede Sapientiae) e Neuropsicologia (CDN-Unifesp). Atende, em consultório, pacientes adolescentes e adultos. Também atende na reabilitação neuropsicológica com parceria interdisciplinar. É gestora-coordenadora do Projeto Cuca Legal — Programa de Prevenção em Saúde Mental nas Escolas (Psiquiatria/Unifesp). Há alguns anos atrás, com 32 anos de idade, sua vida deu uma reviravolta quando sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico). Passou quatro meses internada e quatro anos em reabilitação. Perdeu os movimentos do lado direito…
Leia mais
Especialistas analisam estudo sobre distribuição desigual de tarefas do lar

Especialistas analisam estudo sobre distribuição desigual de tarefas do lar

Post
Segundo pesquisa da Unicef, meninas gastam 40% mais tempo com trabalho doméstico POR JÉSSICA LAURITZEN / MARIANA ALVIM Clique aqui para ler a matéria no site do O Globo. Menina empurra duas crianças menores em carrinho de mão cheio de galões no Iêmen - Divulgação/ Unicef   RIO — De geração em geração, meninas de todo o mundo ainda levam na bagagem o peso de assumirem a maior parte das tarefas domésticas por um estereótipo de gênero. E a distribuição desigual em relação aos meninos começa cedo, como mostra um estudo divulgado ontem pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef): entre os 5 e 9 anos, elas gastam 30% mais tempo que eles, por dia, em atividades como cozinhar, limpar a casa, cuidar de membros da família e…
Leia mais